sábado, 7 de março de 2015

Nomadismos

De todo espaço em frente
as folhas gotas galhos morte em mente
dos afetos inquietos
passantes
e de todos os olhares
distantes
o que me toca,
é o frio.

Pois não dá trela pra relativismos
Está ali e quase que sem aviso
A não ser de sua mãe
Que, para constar,
sempre deu bons conselhos
relacionados a casacos.

O que senta naquele chão não é humano
pois não sabe o que humano é.
O que chora naquela noite não é triste
pois não tem base de comparação.
O que - supostamente - vive nesse mundo nem sabe
se existe
se resiste
se consiste em qualquer coisa escolhida
e não simplesmente vivida
de acordo com mero acaso.
O que senta e chora na noite não sabe
se é, o que é ser, e pra que serve
o que chamam de personalidade.

...Também não tem grandes esperanças
de sair da prisão simbólica que são as
lembranças,
e, para todos os fins,
não sabe como diabos chegou nessa idade.

Nenhum comentário: