sábado, 10 de janeiro de 2015

Gente como a gente

Sou o sofrimento que
não faz parte da equação.
Sou a brilhante ideia
que não encontra aplicação.
Sou um levante, uma revolução
sonhada
sou ser vivente
coisa torta e inacabada.
Sou amante, e quando queres
namorada,
sobrevivente
de um cataclisma ou um tornado.
Sou a histérica
sou vidente
e de onde vejo o mundo ao seu lado,
- e à frente -
sou a dor que ninguém sente
mas que levita e espera
- sempre perto e quieta... -
até que um dia possa ser
finalmente,
gente.

Um comentário:

Anônimo disse...

siga sendo e seja consigo o que sentes