quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

Texto totalmente inútil; não que alguém se importe.

Era o tipo de homem que levantava bem cedo, pra dormir bem cedo, pra acordar bem cedo. Não que lhe faltasse energia ao longo do dia, mas achava útil ter uma rotina bem estruturada. Não que ele tivesse grandes neuroses por organização, mas seus pais lhe ensinaram assim. Não que seus pais estivessem vivos, mas enterrados no cemitério local; há muito não visitadas, suas flores murchas. Não que ele mesmo se importasse.

Era o tipo de homem que lê uma frase escrita, em artigo, revista, o que for, mais de uma vez. Não que o conteúdo lhe escapasse ao entendimento, mas achava útil que tudo se guardasse na memória da forma mais eficaz possível. Não que fosse usá-lo (o conhecimento) mais tarde, mas algum dia podia vir a precisar, se alguem lhe perguntasse. Não que alguém lhe perguntasse nada, mas ele só tinha que parecer inteligente. Não que alguém se importasse.


Era o tipo de homem que vivia de desculpas. E era um cara chato.

2 comentários:

Thys' disse...

Pelo título, muito "big bang theory" nessas férias, hein louie.

ape. disse...

consegui imaginar um curta da vida so sujeito.

bueno