terça-feira, 19 de maio de 2009

De passagem

Passo, passo.
Pára, respira. Passo, passo.
Passo árvore, passo pedra, passo rio.
Passa tempo, conversa, passa frio.
Deslizo as mãos na grama,
encontram-se as ondas nas pedras.
As estrelas sobre o céu,
mãos sobre cintura.
E lábios sobre outros,
passam.
Passo, passo.
Andam os pés na areia úmida,
ruidosamente.
Tudo passa, agora, menos estrela cadente.

Um comentário:

Matheus Moreira Moraes disse...

i-rado.
consegues fazer poesia em português. isso é muito foda eauiheahieauhea

bjs